Escolha uma Página

Nós que valorizamos tanto a qualidade de vida, fazemos questão de compartilhamos com vocês as informações a respeito do mês da Mobilidade Urbana.

Setembro é o mês da #MOBILIDADE. Iniciativas assim realmente fazem diferença para o meio-ambiente (diminuindo os impactos), arejam o trânsito e ainda nos possibilitam a conhecer trechos da cidade impossíveis de serem apreciados de outra maneira.

O que não vai faltar nas próximas semanas são atrações e alternativas para encontramos um caminho melhor e mais sustentável de se locomover nos grandes centros urbanos. Neste links você vai encontrar a programação completa: https://viradadamobilidade.com.br/

Confira alguns dados sobre a Mobilidade urbana nas 3 capitais que mais sofrem com isso:

Dados da mobilidade urbana no Brasil

Atualmente, as cidades que mais sofrem com o inchaço no trânsito são, respectivamente, São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

São Paulo

Na cidade de São Paulo, 5 milhões de pessoas viajam diariamente em ônibus, enquanto 4 milhões utilizam o metrô. A cidade conta com uma frota de quase 7 milhões de veículos privados. Uma das soluções encontradas foi o estabelecimento do rodízio entre carros determinados pelo número da placa do veículo.

No entanto, a lei não se revelou eficaz. Isso porque algumas pessoas compraram um segundo automóvel com número distinto a fim de continuarem a usar o veículo privado. A cidade continua investindo na expansão da rede de metrô para minorar os efeitos do trânsito caótico.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, 3 milhões de pessoas dependem do ônibus e 780 mil do metrô. No entanto, com a Copa do Mundo (2010) e os Jogos Olímpicos (2014) muitos projetos de mobilidade urbana saíram do papel e beneficiaram o cidadão. Um deles foi a construção dos metrôs de superfície no centro da cidade e também em zonas mais afastadas do centro a fim de proporcionar maior rapidez no deslocamento diário.

O desafio principal do Rio de Janeiro segue sendo a integração com os municípios que fazem parte do chamado “Grande Rio”. O transporte fluvial é usado abaixo da sua capacidade por conta dos interesses políticos e comerciais das distintas prefeituras que circundam o Rio de Janeiro.

Curitiba

Em Curitiba, onde não há metrô, 2 milhões de pessoas necessitam se deslocar utilizando ônibus. Nos anos 90, a cidade foi pioneira:

– construção de corredores exclusivos para ônibus;

– plataformas onde o usuários pagava a tarifa antes de entrar;

– uso de coletivos capacidade para transportar mais de cem passageiros.

Entretanto, a capital do Paraná cresceu, e o plano do metrô, não saiu do papel. Desta maneira, a cidade começa a experimentar engarrafamentos fora das horas de pico.

#VMSP2018 #Bike #BenassiSP #FLV #Orgânicos

X